Chama-se Stovner e foi o bairro escolhido, da cidade norueguesa de Oslo, para um projecto de requalificação no âmbito do concurso Reinventing Cities. O Recipe for Future Living pretende ser neutro em carbono e tem como um dos objectivos mitigar os efeitos das alterações climáticas, ao mesmo tempo que permitirá usufruir da cultura e diversidade locais.

Projectado para uma área industrial estratégica para um desenvolvimento urbano sustentável e descarbonizado, o Recipe for Future Living foi um dos vencedores do concurso que visa promover a regeneração urbana resiliente, sustentável e neutra em carbono, por todo o mundo.

Focados no desejo da comunidade local de melhorar a área de intervenção, os criadores deste projecto quiseram mostrar que é possível desenvolver arquitectura de qualidade a partir da reutilização em larga escala e tendo como base os princípios da economia circular.

O novo empreendimento vai ter usos mistos, incluindo um espaço residencial e comercial com neutralidade carbónica e necessidades quase nulas de energia. Com isto, pretende-se proporcionar emprego e habitação a preços acessíveis para jovens adultos em Stovner, assim como actividades locais. Estão também previstas áreas verdes, reforçando a biodiversidade e vegetação locais. Uma das premissas para este projecto é que 50 % da sua área seja dedicada a espaços públicos, como jardins e solo exposto, e deve incluir, por exemplo, estufas, aquapónias e colmeias.

A criação de uma incubadora para acolher uma comunidade inovadora de start-ups que incentivem a vida ecológica faz também parte da ideia. Pretende-se, assim, apoiar empreendedores que proponham soluções para acelerar a mitigação dos efeitos das alterações climáticas. O ambiente é, aliás, a grande premissa para os projectos Reiventing Cities, em que são também valorizados os esforços para a sua salvaguarda durante o processo de construção. No caso do Recipe for Future Living, é abordada a questão dos resíduos na indústria da construção de uma maneira inovadora, o que permitirá uma redução de 90 % nas emissões através da reciclagem de elementos de edifícios da zona, assim como de materiais de construção.

Este local está incluído numa área maior, de 25 000m², chamada Fossumdumpa, e localizada no centro do distrito de Stovner, no vale de Grorud, na parte leste de Oslo. Fossumdumpa é a primeira parte de uma grande área industrial a ser requalificada, em Stovner, nos próximos 20 anos, e apresenta um potencial para 6 000 a 6 500 novas habitações.

Com uma união de esforços entre a cidade de Oslo e o governo norueguês, de modo a enfrentar a questão das condições de vida nesta zona, diversas medidas têm sido tomadas nesse sentido, nos últimos anos. O programa de requalificação é focado no desenvolvimento urbano sustentável e inclui iniciativas e participação locais, cooperação intersectorial, recuperação e renovação ambiental. Estão também previstos novos equipamentos, como a futura piscina pública, que será construída ao lado do local.

Beneficiando dessa dinâmica, Stovner já viu melhorias, por exemplo, ao nível da na iluminação, mas há todo um projecto maior para levar a cabo. A aprovação do novo plano de desenvolvimento desta zona deverá ser conhecida em Novembro deste ano. Até agora, a equipa coordenadora deste projecto foi a INEO EIENDOM AS, que trabalhou com os arquitectos MAD Oslo AS, MAD Stavanger AS & LANDSCAPE+AS e os peritos ambientais Vill Urbanisme AS by Vill Energy AS, Léva Urban Design AS, Resirquel AS and Asplan Viak.

Sobre o Reinventing Cities

O Reinventing Cities é uma competição global criada pelo grupo C40, a rede de Cidades para Liderança do Clima. A iniciativa pretende promover a regeneração urbana resiliente, sustentável e neutra em carbono, por todo o mundo.

Para o efeito, o C40 e as cidades participantes convidam arquitectos, construtoras, organizações ambientalistas, grupos comunitários e artistas para formar equipas criativas e competir pela oportunidade de transformar essas cidades, apresentando projectos que respondam a dez desafios ambientais. Os participantes também têm de demonstrar como podem ser alcançadas soluções climáticas inovadoras, em combinação com uma arquitectura diferenciada.

Para este concurso, 14 cidades identificaram 31 espaços que, actualmente, estão dormentes, como terrenos baldios e prédios abandonados, um antigo aeroporto, mansões históricas, mercados, estacionamentos, uma incineradora e um aterro abandonados. Os projectos vencedores irão servir de modelo a cidades de todo o mundo, demonstrando como a aliança entre os sectores público e privado podem definir o futuro, alcançando um desenvolvimento urbano descarbonizado e, ao mesmo tempo, economicamente viável.