2018-07-02
Empreendimento turístico em Loulé vai usar geotermia para a climatização
David Alvito

O empreendimento turístico Ombria Resort, em Loulé, vai utilizar a energia geotérmica para sustentar as necessidades de aquecimento e arrefecimento das instalações, bem como de produção de águas quentes sanitárias e aquecimento da água das piscinas. O complexo, que deverá abrir portas em 2020, quer tornar-se pioneiro neste tipo de solução, dada a dimensão do sistema que pretende instalar naquela zona algarvia.

 

A geotermia encontra-se ainda pouco difundida no nosso país, apesar de já se ter comprovado o seu bom rendimento em países do norte da Europa e nos Estados Unidos. O conceito é simples: utilização do calor da crosta terrestre para aquecimento e arrefecimento, através de permutadores de calor instalados no subsolo, que permitirão a transferência de calor para bombas de calor geotérmicas.

 

Este tipo de energia, que pode também servir para produção de energia eléctrica, é sustentável e renovável, para além da praticamente nula na produção de gases com efeitos de estufa, contribuindo, desta forma, para promoção do desenvolvimento sustentável da utilização energética. O sistema é totalmente seguro, já que é feito através de circuitos fechados, onde os fluídos, totalmente inócuos, não têm qualquer contacto com o subsolo. O material utilizado no enchimento do furo é inerte e o processo de perfuração será feito recorrendo a sondas que, ao mesmo tempo que perfuram, revestem o furo, evitando assim a dispersão de diferentes camadas do subsolo.


Julio Delgado é o director-geral do Ombria Resort. “O Ombria Resort pretende ser pioneiro de uma nova geração de Resorts em que o ambiente é um eixo estratégico no seu ADN”, refere o gestor espanhol. “Todo o nosso projecto foi estruturado tendo como intuito ser uma referência enquanto resort eco-friendly, na Europa, e este é um passo fundamental nesse sentido”. Delgado reconhece que, desde o início do projecto, se definiu “como prioridade adoptar boas práticas para a promoção de uma eficiência energética de excelência, com respeito pelo ambiente e antecipando a necessidade de todos os edifícios do empreendimento se tornarem Nearly Zero Energy Building, através do aproveitamento de energia renovável com um mínimo impacto ambiental”.


Pedro Madureira, responsável pela equipa técnica da Synege, empresa portuguesa especializada em consultoria e projectos nas áreas da engenharia, geologia e energia, e que ficará a cargo do projecto, garante que “as bombas de calor geotérmicas apresentam uma eficiência particularmente elevada devido à temperatura praticamente constante da fonte de calor (o subsolo), permitindo que os equipamentos sejam utilizados quase sempre em óptimas condições e com coeficientes de performance muito bons. Para além disso, sendo uma energia renovável com eficiência energética comprovada, as bombas de calor geotérmicas permitem a redução das emissões de gases com efeito de estufa, permitindo um consumo mais sustentável”.


Depois de vários atrasos, o Ombria Resort vai finalmente arrancar. O Pontos Group, um fundo de investimento finlandês, vai investir mais de 260 milhões de euros no projecto, que recebeu, em 2012, categoria de Projecto de Interesse Nacional, por intermédio de Paulo Portas, na altura, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros.


O empreendimento está dividido em três fases, sendo que a primeira irá receber 100 milhões de euros de investimento, e inclui a construção da primeira unidade da cadeia hoteleira norte-americana Viceroy em território europeu. O hotel, de 76 quartos, contará também com 65 residências turísticas, disponíveis a partir de 300 mil euros.

A fracção imobiliária do Ombria Resort não se resume ao hotel e às residências turísticas. O empreendimento compreenderá ainda 385 unidades residenciais, vocacionadas para o mercado do centro e do norte da Europa.

ASSINE JÁ
aceito os termos e condições